Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Dor no joelho – da ficção à realidade (1ª Parte)

por AM, em 14.03.05
A vida reserva-nos coisas surpreendentes e, por vezes, somos confrontados com certas e determinadas situações das quais não temos argumentos para explicar porque razões aconteceram.
Esta treta toda só para falar da coincidência enorme que existe entre o nome do meu blog e o problema que, de facto, tive no joelho.
Talvez por toda esta situação grotesca, resolvi escrever este texto que conta toda a história, desde a lesão até à operação (a operação será desvendada na 2ª parte desta saga). Portanto, cá vai.

Em relação à dor no joelho, ou dita cuja lesão, tenho de recuar até ao dia 3 de Agosto do ano que passou. Estava eu muito bem a jogar à bola com uns amigos quando comecei a sentir dores na perna direita. Como nunca tinha tido uma lesão de média gravidade, não dei muita importância e, apesar de estar a jogar limitado, deixei andar a coisa. A dada altura vou rematar a bola para a baliza e “zás”; senti uma dor aguda no joelho e não conseguia por o pé no chão. Saí logo de campo à espera que a dor passasse mas não parecia ser assim tão simples e ainda por cima, não fazia a mínima ideia do que poderia ter acontecido. Fui-me embora e como a minha casa não era longe do campo fui a pé, apesar das dores. No entanto, o meu pensamento era o mesmo, sempre que tinha pequenas lesões: “Amanha isto passa, ah!”

O que é certo, é que no outro dia continuava com dores e apercebi-me de que aquilo era mais do que uma simples dor muscular.
Como o meu médico de família estava de férias – afinal estávamos em Agosto – fui ao hospital para descortinar a lesão que me atormentava.
Dirigi-me às urgências do Curry Cabral mas psicologicamente preparado para ter de esperar cerca de 8 horas para ser atendido, ou não estamos nós em Portugal.
Surpresa a minha, quando, passadas sensivelmente 2 horas, fui chamado para ser observado. A médica olhou para mim com aquela cara do género “Mais um para despachar”, perguntou-me qual era o problema e eu expliquei-lhe o que se tinha passado.

Ela mandou-me fazer um Raio X e depois aguardar até ser chamado. Passado um quarto de hora, chamou-me, pegou no Raio X e disse: “Você não tem nada, como se pode ver pelo Raio X. Aconselho-o a descansar algum tempo que isso passa. Se não passar vá ao médico de família.”
Ela disse-me isto tudo sem dar uma única olhadela à perna e ao joelho. Claro que eu achei aquele procedimento pouco ortodoxo e disse-lhe “Tem a certeza? É que eu tenho muitas dores e custa-me a andar!”
“Sim, sim, pode ir. Próximo!” disse ela como se tudo tivesse bem…

Como estava de férias segui o conselho ou não seria ela médica!
Claro que passadas duas semanas continuava com as dores no joelho e fui ao médico de família. Ele observou o joelho – como é devido – e apercebeu-se que havia algo de errado, mesmo dizendo que não era médico da especialidade. Mandou-me então fazer um Raio X e um eco grafia.
Só em Setembro é que consegui fazer os dois exames pois não dava para fazer marcação mais cedo. Realizei os exames e fui novamente ao médico de família. O diagnóstico era claro: uma rotura no menisco direito.
O médico passou uma credencial para ir ao Hospital Curry Cabral, marcar uma consulta com o médico da especialidade (ortopedia).

Fui logo lá no dia seguinte para marcar a tal consulta e saber o que me esperava (o mais certo era ser operado). Fui atendido por um funcionário que me disse: “Só tem consulta em Novembro”. Claro que os nervos subiram até à minha poupa do cabelo e respondi intempestivamente: “Desculpe lá, mas você está gozar comigo. Eu vim cá às urgências em Agosto quando tive esta lesão e disseram-me que estava tudo bem. Agora que detectaram a lesão, vou ter de esperar dois meses para uma simples consulta?”
O funcionário apercebeu-se que eu tinha razão no que dizia e lá desencalhou uma consulta para Outubro.

Tive que aguardar mais umas semanas até à dita consulta. Quando chegou o dia, o médico especialista observou-me e de pronto disse que tinha de ser operado ao menisco.
A partir daqui entrei numa fase de marcação de exames para ali e para acolá; análises ao sangue, raio X ao tórax, um electrocardiograma e por fim uma consulta com a anestesista.
Por fim, chego a Dezembro para a minha consulta onde o médico ortopedista avalia os exames e diz que estou pronto para ser operado. Só tinha de esperar pela marcação da operação. E tendo em conta o tempo de espera nos hospitais portugueses… as expectativas não eram animadoras.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:32


4 comentários

De mario gomes a 15.03.2005 às 20:34

Ai em Portugal tem-se tempo para morrer 10 vezes antes que tratem de nos. Enfim... Aguardo a segunda parte.

Um abraço!

De Marçal a 16.03.2005 às 10:31

Então prepara-te porque a segunda parte desta saga consegue ser ainda mais caricata.
Portugal no seu melhor!
É a vida!

Abraço

De cândida a 29.04.2005 às 00:57

o joelho é realmente muito simbólico. deves ter lido o mesmo livro que eu. muito interessante! e eu que gosto de joelhos! tá tudo explicado!

De Marçal a 10.05.2005 às 13:25

Por acaso não sei a k livro estás a referir-te mas deve ser interessante. Agora, não queiras passar por esta experiência...simplesmente horrivel!!!!

Comentar post



Um novo rumo, sem nunca esquecer o que ficou para trás, guardando sempre as melhores memórias.

Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Março 2005

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2005
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2004
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D