Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Bisnagas

por AM, em 26.02.10

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:58

Lisboa promovida no Brasil - As fantásticas coisas que eles sabem. ... e nós desconhecíamos!‏

por AM, em 25.02.10


Depois da Maitê Proença, agora isto!!!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:09

Se calhar é do cansaço... pode ser que seja...

por AM, em 24.02.10


Jesus: «Benfica está cansado é de ganhar muitas vezes»

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:00

Tragédia na Madeira

por AM, em 23.02.10
Três dias depois ainda custa a acreditar no que se passou na Madeira. Há sensivelmente 5 anos fui com a malta do costume visitar o arquipélago e ficámos deslumbrados com o que vimos.
Revejam este post.

Olhando agora para estas imagens é difícil de aceitar esta triste realidade.


Este post serve para homenagear todas as vitimas e dar apoio a todos os habitantes daquela ilha para que voltem a erguer aquele jardim tão belo, perdido no meio do oceano.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:11

Livres à Baggio

por AM, em 22.02.10
Não sei se já repararam, mas no canto inferior direito têm um link onde podem desfrutar do magnifico jogo do Roberto Baggio. Quando tiveram a coça-los ou fizerem uma pausa laboral, aproveitem para clicarem lá.

Baggio's Magical Kicks
Baggio's Magical Kicks

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:30

H1N1

por AM, em 19.02.10


Estou em crer que esta Gripe A foi o maior escândalo da industria farmacêutica. Fez-se um alarido tal, que andou tudo com medo de sair de casa e no fim de contas, agora temos de andar a vender os lotes de vacinas que não tiveram uso e o número de mortes nem se compara às da gripe normal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:21

Nabo

por AM, em 18.02.10


O homem chama-se Francisco Luís Murteira Nabo, mas prefere ser conhecido como Murteira Nabo.
Tudo bem!!! Xico Lu também não é muito bonito, é verdade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:51

PES 2010

por AM, em 17.02.10
Sempre fui um fã da saga FIFA. Desde 1996 que jogo o FIFA, inicialmente na Family Game (velhos tempos!!!), passando pela Sega Saturn e depois no PC, desde 1999 até 2009.
No PC foram 10 anitos sempre a acompanhar a evolução do jogo, desde a jogabilidade até ao gráficos quase perfeitos. Este ano, o meu PC deixou de estar operacional para poder acolher qualquer jogo que puxasse em demasia pela placa gráfica, porque a idade já não o permite e para ver o arrastão na jogabilidade, preferi não arriscar.

2010 foi ano de inovação. Comprei a PS3 e dei uma "facada" no FIFA. Deste feita apostei no PES, que verdade seja dita já viveu melhores momentos, pois há quem diga que actualmente o FIFA está melhor mas, de facto, é um belíssimo jogo de futebol. A jogabilidade é fantástica e os gráficos... vejam as imagens deste post e tirem as vossas ilações.


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:44

Onde estão os valores?

por AM, em 12.02.10
«A entrada da nova Lei em Abril de 2007 permitiu que conhecêssemos a realidade dos números de interrupções voluntárias da gravidez. Segundo dados avançados pelo Diário de Notícias, a partir de Julho de 2007, realizaram-se 6.287 abortos. Em 2008, 15.96.

A Direcção-geral de Saúde divulgou os dados do primeiro semestre de 2009, que apontam para 9.667. No ano passado, na Maternidade Alfredo da Costa, 1.425 das 1.632 mulheres que interromperam a gravidez não usavam qualquer contraceptivo.

A propósito desta percentagem elevada, Jorge Branco, coordenador do Plano Nacional de Saúde Reprodutiva, declarou ao Diário de Notícias que “[é] incrível a irresponsabilização de alguns casais” e manifestou a sua reocupação com o facto de uma parte considerável dos casos (468) serem de mulheres que não abortavam pela primeira vez.»

(...)

Fonte: Metro (artigo de opinião de Carla Quevedo)


É com muita tristeza que olho para estes números. Fazendo um cálculo, cerca de 87,32% dos parceiros que tiveram relações não usaram qualquer tipo de protecção.
A interrupção voluntária da gravidez que foi aprovada há 3 anos é vista, tal como eu já previa, como um método contraceptivo, tão natural como o preservativo ou a pílula (e ainda existe a pílula do dia seguinte).

Foi criada a lei, comemorada com pompa e circusntância e depois não se fez nada para que não vissem no aborto um método a ser aplicado como um ultimo recurso.
"Ah e tal, temos os psicólogos hospitalares para aconselhar as pessoas!"
Para que servem os psicólogos hospitalares? Que vão fazer eles? Explicar a uma criança/pré-adolescente de 14/15 anos de que, realmente, não é fácil ter um filho com aquela idade?

Os valores morais adquirem-se com a educação que recebemos em casa e na sociedade onde estamos inseridos. Se não existe um exemplo sério como vamos incutir isso nos jovens.

Houve muita pressão para se fazer a lei. Foi feita. E agora? Tá feito? Vamos a um Hospital abortar como quem vai a uma churrascaria pedir um frango com picante? Queremos ter relações uns com os outros e não se pensa nas consequências? Aborta-se por abortar?

Chamem-me conservador, velho, irresponsável, o que quiserem. Mas os factos estão aí. Se perdemos os valores que mais nos resta.

Deixo aqui o resto do artigo:

(...)

«A lei a favor da interrupção voluntária da gravidez foi recebida com aplausos e críticas. Uma das reservas que apareceu na altura da discussão que antecedeu o referendo foi precisamente a de esta lei poder vir a permitir exageros e o aborto vir a ser usado como um método contraceptivo.
Admito que nunca acreditei que tal fosse possível. Nem tanto por causa das dúvidas morais de cada um, mas porque, desde os preservativos à pílula do dia seguinte, a sociedade não podia ter mais meios para impedir a gravidez. Mas face aos números que agora se conhecem, há que assumir as falhas na prevenção e perceber, como referiu o director executivo da Associação para o Planeamento da Família, Duarte Vilar, “em que situações é que as mulheres correm riscos e se estão conscientes desse risco”. O risco não é, evidentemente, apenas o da gravidez indesejada.
Helena Sacadura Cabral, no seu blogue Fio de Prumo, a propósito da reincidência na interrupção da gravidez, pergunta o que pensam fazer as autoridades sanitárias para corrigir e alterar esta situação. Estamos perante um problema de ignorância, indiferença ou abuso da lei?»

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:31

Tou mesmo viciado nesta porra

por AM, em 11.02.10




Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:00

Pág. 1/2



Um novo rumo, sem nunca esquecer o que ficou para trás, guardando sempre as melhores memórias.

Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Fevereiro 2010

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2005
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2004
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D